Já postamos um razoável sobre o prédio do Elixir Nogueira, mas o prédio era tão fantástico, no seu frenesi sinistro de Virzi nosso Gaudí, que não podemos de deixar de mostrar essas novas fotos, elas mostram pequenos detalhes da fachada, já no ocaso do prédio, no início dos anos 70, depois de ter sido destombado.

 

As duas primeiras mostram a luminária que ficava por cima das varanda triangular da entrada principal do prédio, como se iluminasse muito acima o grupo escultório principal e sua placa “labor omini vencit”, vemos o detalhes sutis e delicados no fer-forgè

Já a seguinte imagem mostra a perspectiva da calçada de quem olhasse para cima, podemos ver muito bem a transição dos pavimentos inferiores circulares para os superiores retangulares, que na época da construção criou dúvidas se a estrutura conseguiria se manter de pé, vemos a farta decoração em argamassa da fachada, entremeada com elementos em mármore.

Por fim um detalhe das ciclópicas figuras que “seguravam” as platibandas do telhado.

Os outros posts do prédio do Elixir Nogueira podem ser vistos aqui:

http://www.rioquepassou.com.br/?p=2472

http://www.rioquepassou.com.br/?p=2475

http://www.rioquepassou.com.br/?p=2478

http://www.rioquepassou.com.br/?p=2481

http://www.rioquepassou.com.br/?p=7535

http://www.rioquepassou.com.br/?p=7544

http://www.rioquepassou.com.br/?p=7590