andredecourts foton från 2004-11-11

A exatos 100 anos a cidade do Rio de Janeiro se encontrava envolta na maior revolta urbana do país até hoje.
Foi a Revolta da Vacina, onde o povo insuflado por opositores do regime, além de sua própria ignorância se rebelou contra a vacina obrigatória proposta por Oswaldo Cruz, que julgava ser a única maneira de se combater as epidemias que grassavam sobre a capital da recém criada república.
A insatisfação popular já era grande, pois paralelo a Lei da Vacina, equipes de mata mosquitos com seus engenhos barulhentos e fumacentos invadiam na marra as residências, para procurar focos, doentes, e muitas vezes interditavam ou condenavam o imóvel, isso a qualquer hora do dia, e em sua totalidade sem o Homem da casa, que para os padrões sociais da época era um absurdo.
Fora os boatos que a vacinação seria nas virilhas das senhoras, algo completamente imoral.
A cidade também era praticamente colocada a baixo, no Bota Abaixo para a mudança da velha cidade colonial para a que conhecemos hoje.
A revolta estourou na região da praça Tiradentes e no Largo de S. Francisco de Paula, depois de uma reunião numa associação de empregados fabris, rapidamente a bernarda (sorry Bê), como falavam os jornais da época se espalhou pela cidade de uma forma incontrolável, bondes eram virados, lojas saqueadas, alguns jornais tiveram ameaças de suas redações serem invadidas, os lampiões da iluminação pública eram quebrados, e tiros começaram ser dados em direção a polícia que tentava controlar a turba, necessitando a entrada no conflito do Exército a da Marinha, deixando os embates ainda mais violento.
Rapidamente várias freguesias foram tomadas de assalto pelos “quebra-lampiões” como os revoltosos eram chamados, segundo relatos na rua Larga de São Joaquim, hoje um dos trechos da Av. Marechal Floriano até os postes de gás foram quebrados e deles grandes labaredas emergiam.
A revolta se espalha e chega nos dias seguintes a arrabaldes como Tijuca, Gávea e Copacabana, mas era nos distritos da velha região portuária como a Gamboa que o conflito ganhou proporções de monta, na região barra pesada, capoeiras, bandidos, estivadores, prostitutas levantaram barricadas, e transformaram o bairro num local inexpugnável.
No meio da revolta, unidades militares, como a Escola de Cadetes na Praia Vermelha se rebelam, inclusive essa iniciando uma marcha rumo ao Palácio do catete, marcha essa obstada, por tropas legalistas em plena rua da Passagem, no breu, pois não havia um só lampião acesso em toda cidade, depois de rápida fuzilaria as duas tropas debandaram uma prá cada lado.
A revolta na região da Gamboa demorou muitos dias para ser controlada, e havia inclusive o posicionamento de navios da Marinha para com uma breve ordem do poder executivo salvar toda a região com seus canhões.
O foco mais duradouro da região foi o local conhecido como “Porto Arthur” perto das ruínas do velho mercado da Harmonia, lá os revoltosos além de extremamente bem armados contavam com barricadas feitas inclusive com os trilhos do bonde.
Vemos aqui uma barricada da rua da Gamboa, contarei mais detalhes em post’s isolados sobre essa região.

Comments (26)

jro 2004-11-11 07:02 …

Bom dia, em Panavision!!!

Juro que vou ler tudo isto mais tarde :-) ))

Jro :-) )

cand 2004-11-11 07:03 …

uau, sensacional o texto…
isso devia ser ensinado nas aulas de história do Brasil… só se fala em revolta da vacina e nem se aprofunda no tema, como aqui…
abração, parabéns

gerard_3 2004-11-11 07:07 …

Eu não juro nada …acabei de acordar …foi muito bom ontem!
Bj!
De

lucia 2004-11-11 07:33 …

Bom Dia!!
:)

Leflaneur 2004-11-11 07:39 …

Parece que os revoltosos presos foram mandados para o Acre e o Mato Grosso.

eduardorj 2004-11-11 07:41 …

fala André.

bacana esse post, como os outros tb.
a maioria das vezes que leio seus texto aprendo, um pouco mais sobre a história e cultura da nossa querida cidade.
A propósito, nunca tinha visto/ouvido, a palavra `arrabaldes`, de certo que muitas outras fiquei sabendo aqui.

uma trilha sonora atual para esse post, seria a música TUMULTO do conjunto O RAPPA.

abs

andredecourt 2004-11-11 07:57 …

Lefla o negócio foi tão feio que vieram tropas de outros estados, infelizmente eu emprestei a revista que tinha o número de presos na revolta

maw 2004-11-11 08:24 …

Será q foi msm a maior revolução urbana?
E hoje em dia é diferente?
:(

odeon 2004-11-11 09:00 …

vc é historiador ou
um apaixonado pela cidade?
o livro `os bestializados`, de josé murilo carvalho, fala sobre a revolta da vacina…
e a varíola? minha avó contava que eles chegavam e carregavam os doentes. vc sabe algo sobre isso?

riobus 2004-11-11 09:23 …

essa cidade é muito louca…

Antolog 2004-11-11 09:52 …

Que dizer que no Rio já houve bastante luta armada?!?! Diferente dos dias de hoje…

andredecourt 2004-11-11 10:01 …

A difrença é quen a época se teve peito para entrar nos lugares onde o poder paralelo tinha assumido o controle, e o Estado estava disposto a usar todos os meios para obtê-lo

bandman 2004-11-11 11:00 …

I just bought a wonderful book about the history of Rio. It was translated into english written by a carioca, Ruy Castro. I love your pics. They take us back to the elegance of the city. I hear that in downtown, you can still see some of the old buildings.

eduardo bertoni 2004-11-11 11:03 …

vacina na virilha das moças?
até que a idéia não era de todo má…
:-) )))))))))))

luiz.darcy@uol.com.br 2004-11-11 11:40 …

Uma das faces desta rebelião foi a decisão da Escola Militar da Praia Vermelha “unir-se” ao povo e aderir ao levante, aproveitando a situação para a eclosão de um movimento político-social. Cadetes,liderados pelo Gal.Travassos, viram a oportunidade de derrubar os cafeicultores paulistas que dominavam a nação. Mais de 200 cadetes mortos. Decretado Estado de Sítio.Com a situação controlada pelo Pres. Rodrigues Alves, a vacinação suspensa dia 11 foi reiniciada dia 15 em larga escala.”E.Bueno em Brasil:uma História”

rio_antigo@ig.com.br 2004-11-11 11:45 …

Impossível não traçar paralelos com os dias atuais. No mês passado, favelados faziam barricadas nas ruas de Vigário Geral e quebravam carros, telefones públicos e postes de iluminação, insuflados pelos traficantes da área.

Leonardo 2004-11-11 12:43 …

Foram 30 mortos e 110 presos, segundo o O Globo, que publicou uma materia especial sobre a Revolta da Vacina.
Uma das causas, segundo os historiadores, foi que simplesmente não avisaram os moradores sobre a vacinação. Também, isso seria difícil numa época em que praticamente toda essa população era analfabeta.
Alguns grupos que eram contra o regime vigente na época, segundo os historiadores, também ajudavam a inventar várias histórias como que a vacina era aplicada as pernas ou virilhas das mulheres, que a vacinação na verdade era subterfúgio para aplicarem veneno e matarem a população pobre.
Mas eu acho que a falta de informação foi o ponto primordial de todo.
Até porque, passado algum tempo, grande parte da população correu atrás da vacinação…

Lefla 2004-11-11 13:05 …

Concordo com o André. A diferença era que o Estado se fazia presente. Essa noite, no Cantagalo teve explosão de fogos quase uma da manhã. Durante a madrugada tiroteio no túnel da Raul Pompéia. De manhã, um carro passou atirando pela Sá Ferreira. Quer dizer, não dá…

jro 2004-11-11 13:46 …

Voces já viram :
http://ubbibr.fotolog.net/nelson369/?pid=8578899

jornalistabr 2004-11-11 14:16 …

ACABEI DE CHEGAR DA EXPOSIÇÃO, TA MUITO LEGAL!!!! GOSTEI MUUITO!!!! A PARTE QUE MAIS GOSTEI FOI A DOS ANOS 70
ABRAÇÃO

Marcelo Almirante 2004-11-11 20:03 …

O povo não sabe de quase nada, exceção discutir futebol.

angemon 2004-11-11 20:33 …

isso é que flog educativo!!!!!!
DEZZZZ!

zekemie 2004-11-12 01:33 …

Gostei muito de ler sobre este episódio da história do Rio. Muito obrigado pelo seu post.

Christiano 2004-11-19 14:37 …

Esse é o próprio Porto Arthur, ao lado do Moinho Fluminense, no encontro das ruas da Saúde com da Harmonia (hoje Sacadura Cabral com Pedro Ernesto). Abraços.

AG 2005-08-25 15:44 …

É interessante fazer uma reflexão usando esse acontecimento de 100 anos atrás e os escândalos que hoje vicejam no Brasil.
Seguinte: naquela época não havia Veja, Globo, Isto É, Globo News, TV Senado, TV Câmara. Quer dizer, o pessoal sabia das coisas verdadeiras ou falsas (injeção na virilha das moças, imagina!!!) atavés do disse me disse das ruas. É natural que, se as coisas fossem “inaceitáveis” o povo viesse para as ruas e reagisse de forma violenta.

Hoje a coisa é diferente: a informação é tanta, mas é tanta, que o povo já está naquilo que se pode chamar de fastio, ressaca, enjôo…
E talvez é por isso que ainda não tenha reagido.