andredecourt's Foto von 25.05.05

Av. Brasil no bairro de Guadalupe na década de 50

Vemos obras de duplicação da via e construção de passarela no Bairro de Guadalupe, o pesado investimento feito pelos governos passados na Av. Brasil espelhavam a preocupação desses governos com a criação de uma nova e moderna via de penetração nos subúrbios cariocas bem como uma via que facilitasse a comunicação do Distrito Federal, depois Guanabara com as outras unidades da federação.

Infelizmente não só a avenida, como toda a região suburbana por onde ela passa foi abandonada pelas autoridades, federais, estaduais e municipais, vemos a contínua degradação de uma área outrora nobre, que continha grandes empresas, farto e próspero comércio, pequenas manufaturas em uma região fantasma, abandonada e estrangulada pela ocupação irregular e violência.

Nos últimos 23 anos vimos um processo contínuo de desmonte dos subúrbios cariocas, primeiramente com o pouco caso do governo federal por suas propriedades, normalmente localizadas em pontos chaves e bem situadas, que foram invadidas, depois com a perversidade do governo estadual que não usou seu poder policial para conter as invasões, como contraditoriamente as estimulou, instalando água e luz nessas invasões, e mais posteriormente pelo poder municipal que através da competência pós constituição de 1988 pelo uso do solo urbano pouco faz para conter as contínuas fagocitações do tecido urbano formal pela total ilegalidade como também investe pouco em manutenção e melhoramentos nessa região.

O resultado é que perdemos para a desordem e o crime organizado, uma grande parte da cidade que poderia estar sendo muito bem usada, por já estar urbanizada e com todos os serviços instalados, se bem que a cada dia que passa esses serviços vão sendo destruídos pelo abandono.

Infelizmente essa região é hoje conhecida como Faixa de Gaza

Comments (27)

bandman 25.05.05 09:56 …

How things change in a half a century.

brites 25.05.05 10:12 …

Faixa de Gaza?!? Esta eu ainda não sabia, mas com certeza é muito próprio!
Foi em Guadalupe q andaram fazendo uma experiências em habitação de baixo custo, não? Fizeram algumas em froma de iglu…
Legal ver estes tempos da Av Brasil! Ainda nem era nascida (e olha q já faz um bocado de tempo…) É tempo de meus pais… Ele certamente saiu por aí em direçãoà Ouro Preto, para trabalhar em sua restauração e em direção a Sete Povos das Missões, pra acompanhar a obra do museu.
Fico imaginando como eram feitas estas viagens na época. Na verdade para Sete Povos ele deve ter ido de avião, não? Vou até perguntar à minha mãe.
Bom feriado!

fotolomania 25.05.05 10:20 …

Olha um citroen pretinho dos anos 49 aí!
Nesses tempos deveria ser mais seguro travegar por aí!
Um bom dia para tí, André!

jro 25.05.05 10:26 …

Pois eu voltei de Angra no domingo retrasado, a noite, pela Av. Brasil e fiquei impressionado – praticamente toda ela com 4 faixas e a maior parte iluminada.
Mas, de qualquer modo, não pararia lá para trocar um pneu…

Jro :-) )

AG 25.05.05 11:12 …

Duas coisas que eu sei de Guadalupe.
Primeira: era lá a fábrica da Revell brasileira erguida pelo seu Arno Kikoler para alegria de uma moçada que já era plastimodelista mas tinha que comprar os modelos, importados a peso de dólar, na Hobbylandia do velho Morimoto e seus morimotinhos.
Seu Kikoler deu com os kits n`água e a Revell brasileira hoje é um prego na parede.

Segunda coisa que sei de Guadalupe. Foi nesse aprazível e encantador bairro que veio dar os costados, pela primeira vez, o nosso Jiló. Para os menos íntimos, Jiló é Gilberto Gil, o nosso ministro e suplente de pretinho velho.

Agora, nunca perguntem ao mago de Ituaçu (terra também de Moraes Moreira e do único vigia de fabrica cego e que ia e voltava do trabalho de bicicleta) como foi isso de Guadalupe em sua vida. Um discurso em Iorubá seria mais fácil de entender.

Ah, sei mais uma coisa de Guadalupe.
Era a mulher e parceira musical de Jackson do Pandeiro.
” – Eu só boto o bibop no meu samba…”

jban 25.05.05 11:45 …

Av Brasil hoje está completamente invadida. Dá vontade de chorar.

jban 25.05.05 11:52 …

Me lembro bem dessas luminárias fluorescentes que havia na Avenida depois do trevo da Dutra. Não iluminavam nada… Meu tio morava em Bangú e la íamos nós no Dodge 51 do meu pai até lá. Era uma viagem… Este piso de concreto também é meu conhecido.

fotolomania 25.05.05 12:10 …

Ali em cima foi o Zé…agora sou eu…vc está muito sumido…precisamos combinar alguma coisa…
Bjs

Luiz D´ 25.05.05 12:20 …

Durante os anos 80, voltava de Campo Grande para a Zona Sul, à noite, sem maiores problemas. Mesmo quando de Guadalupe para C.Grande não tinha iluminação como hoje. A avenida melhorou muito, a insegurança é que piorou.
Conheci, na década de 1960, muitos campos de futebol de clubes do Departamento Autônomo (amador), onde se podia ir aos domingos, na maior tranquilidade, via Av. Brasil.
AG: não era a Almira a mulher e parceira do Jackson do Pandeiro?
http://ludaol.multiply.com/

tumminelli 25.05.05 13:34 …

A Av Brasil ali esta praticamente invadida de barracos. Eles estão a centimetros da avenida, qd vi fiquei boquiaberto

O Sr AG. falou ali em coma da Kikoler, será que a fabrica do Sr Arno estaria bem atualemnte, cercada de favelas, tiros etc? Sei não… Alias eu queria sebar o que foi feito da fabrica… Vou procurar saber, pois o Sr Ag me deu ideia de contar a historia da Revell/Kikoler.

:-) )))))))))

Mauro_AZ 25.05.05 13:59 …

O grande cronista, intelectual, pesquisador da musica brasileira, e emerito vascaino Sergio Cabral (pai) e` de Guadalupe.

Mauro_AZ 25.05.05 14:04 …

Ah, montei muito aviaozinho e barquinho da Revell mas nao sabia que eram feitos ali em Guadalupe. Boa ideia de contar a historia da Revell no Brasil, deve ser fascinante.

Quanto `a Hobbylandia, eu adorava passar na loja que ficava no Ed. Av. Central so` para namorar as vitrines, mas quase nunca comprava coisas la` porque os precos eram alem do meu poder aquisitivo. Me lembro que cheguei a comprar umas tintas para pintar os modelos.

Mauro_AZ 25.05.05 14:05 …

AG, a parceira do Jackson do Pandeiro nao se chamava Almira?

Rafael Netto 25.05.05 14:07 …

Mais uma vez pergunto aos artistas dos comentários de fotologs (julinhasilvano, glauceac): Onde se conseguem esses “desenhinhos”? Deve ser algum site bastante popular…

E mais uma vez ressalto: apenas curiosidade artística….

Waldenir 25.05.05 15:12 …

Esse papo de Revell tem algo a ver comigo tambem. Nao so porque eu montei kits de diversos tipos ( avioes,navios,etc.),mas tambem porque o Sr. Arno Kikoler,ja falecido,foi socio do mesmo clube que meus pais nos anos 70. eu o conheci pessoalmente, e cheguei a conseguir alguns daquels kits que voce so ve na lateral da tampa da caixa,mas nunca ve vendendo (quem montava sabe o que eu quero dizer).E la estava,no canto da caixa,a inscricao “A.Kikoler Plasticos”,com o endereco da Av. Brasil,em Guadalupe.Bons tempos! Como dizia a propaganda, “Eh real porque eh Revell”

tumminelli 25.05.05 16:09 …

é vou surpreender muita gente com a historia da Kikoler…

:-) ))

AG 25.05.05 17:20 …

Luiz e Mauro, vocês têm toda razão; a mulher do José Gomes Filho, o Jackson do pandeiro era a Almira. Guadalupe (uma lapa de morena) é (ou era) mulher do Dominguinhos. Errei de sanfoneiro, perdão.

O Sr. Tutu é o depositário juramentado da história da Revell no Brasil. Lá no Reclames, seu flog morto e abandonado, ele já falou disso. Vamos aguardar a historia completa.

lexved 25.05.05 18:08 …

que eu saiba é a leopoldo bulhões que é conhecida como “faixa de gaza”, rua que margeia a via férrea em manguinhos, ligando bonsucesso à benfica…

Marcelo Almirante 25.05.05 21:51 …

Como hoje a população percebe que o Lula não está ao lado do povo, um dia o carioca vai ver que seus próprios governantes trabalharam na destruição de sua própria cidade. Tudo isto faz parte de um plano de DESMOBILIZAÇÃO, DESMORALIZAÇÃO, para posterior invasão do país. Até hoje não existe um plano sério de moradias que resolva o problema, o que se vê, quando se vê alguma coisa, são CIRURGIAS ESTÉTICAS, que não tratam da raiz do problema. Existem inúmeros terrenos vazios ao longo das linhas de trem esperando para serem transformados em bairros.

Também ossas forças armadas estão desmobilizadas, só esperando a hora dos ALIADOS concluirem a inavasão da amazônia, com a desculpa de que o país está destruindo a Amazônia. A tática é a mesma da invasão do Iraque, enfraquecimento do “inimigo”, manipulação da opinião pública mundial, para posterior invasão como se fossem os SALVADORES DA PÁTRIA. Será que nenhum presidente nesse país já recebeu dinheiro para NUNCA quitar nossa dívida externa ? Nossa educação, nossa sociedade está sendo destruída para que sejamos escravos mansos como temos sido até agora.

Marcelo 25.05.05 23:23 …

Agora eu tenho um monte de dúvidas. Por acaso essa foto tem legenda que indique que obra está sendo realizada ? Passarela, duplicação, implantação. Esse trecho deveria se chamar Avenida das Bandeiras, na época.

Cronologia da Avenida Brasil ( o que tenho anotado)

No dia 20 de junho de 1950, inauguração da duplicação da Avenida Brasil no trecho entre a avenida Nova York (Bonsucesso) e o Rio Faria.

1950

Inauguração do viaduto na Avenida das Bandeiras (atual avenida Brasil), no conjunto IAPC em Coelho Neto.

Inauguração de ponte dupla na Avenida das Bandeiras em Coelho Neto.

Inauguração de viaduto duplo sobre a estrada João Paulo, na Avenida das Bandeiras em Barros Filho.

Obra em execução em 1950:

Implantação da Avenida das Bandeiras (atual Brasil) no trecho entre Coelho Neto e Realengo.

1963

Prolongamento da Avenida Brasil de Campo Grande até Santa Cruz. Nesse ano só havia pista dupla até Deodoro e pista simples até Campo Grande.

Rafael Netto 26.05.05 11:57 …

Justiça seja feita, os últimos governos têm sido campeões em fazer M*.*, mas a Av. Brasil melhorou bastante no trecho da Zona Oeste. Alargamento, pavimentação, calçadas, novos viadutos, iluminação… é outra avenida. É certo que são aquelas obras arrastadas que só são tocadas em época de eleição, mas pelo menos foram feitas.

Enquanto isso o trecho mais próximo ao Centro é a lástima que todos conhecem. Lembro da ponte sobre o Canal do Cunha, que foi reconstruída em uma obra que atravancou o trecho por meses. Depois de pronta, a ponte simplesmente ficou desnivelada, e o asfalto da pista ao redor, que ficou cheio de buracos das esteiras dos tratores, foi deixado assim mesmo, é capaz que ainda esteja assim.

clubedovwsp2 26.05.05 12:19 …

Boa tarde meu amigo. Quanto tempo não te visitava.
Sempre brilhante.
Quanto ao SP2, sim está em boas mãos ( espero ).
Abração
Amilton

Alexandre Figueiredo 26.05.05 15:17 …

Nos anos 80, meu pai foi apitar um jogo em Guadalupe e eu e meu irmão fomos acompanhá-lo. O Rio de Janeiro já era perigoso então, mas ainda dava para curtir a cidade com alguma tranqüilidade. Hoje não. As eventuais e súbitas chuvas de balas perdidas não deixam.

Alexandre Figueiredo 26.05.05 15:19 …

Nessa época ainda existia a Av. das Bandeiras, paralela à Av. Brasil, que ia de Deodoro a Irajá e incluía o trecho de Guadalupe nessa mesma foto.

Marcelo Almirante 26.05.05 16:07 …

Alexandre,

Por favor, a Avenida das Bandeiras corria paralelo à Avenida Brasil ? Mas de que lado ?