foto de andredecourt em 18/08/05

Escola Cícero Penna, recém inaugurada numa Av. Atlântica ainda não duplicada. Ela fazia parte do tipo de escola implantado pelo estado da Guanabara, que conjugava, projeto feito por um arquiteto de renome, ( no caso Francisco Bolonha) instalações adaptadas para o local e tipo de ensino ( o que não foi adotado pelos CIEPs que repetiam um projeto de Nova Friburgo a Baixada), mas o uso de materias comuns a todas o que barateava a construção e a futura manutenção, obras de arte dentro do prédio, estilo usando e abusando de tijolos aparentes, vigas de concreto expostas só envernizadas, já num flerte total ao brutalismo .

O atual prédio substitui a casa original, que era um palacete doado pelo Dr. Cícero Penna para que em seu imóvel após a sua morte, fosse ali feito um estabelecimento de ensino.

Da casa original podemos ver o pequeno muro,que até hoje existe, acrescido de grades, a casa original funcionou durante muitos anos como colégio, mas com o aumento da população do bairro as adaptações feitas nas casa ainda nos anos 40 para transformá-la em colégio já não eram mais suficientes.

Foto 1971 escaneada do Anuário da Associação Brasileira de Arquitetura 1972 – Escolas

Comments (19)

Rafael Netto disse em 18/08/05 10:06 …

Taí um ponto da Atlântica que quase não mudou nesses anos. Não tem muito tempo soube que queriam comprar o terreno, um dos últimos “disponíveis” da Atlântica, e viram que isso não é possível por causa desse termo de doação do Cícero Penna.
Algo parecido ocorre com aquela área da Help.

Em 1971 a pista ainda era assim?

AG disse em 18/08/05 10:27 …

“Rétómando uma quéstão antérior” — acho que este é um projeto de escola muito mais humano, agradável, amigável.
Posso não entender nada de arquitetura nem de ensino (de Brizolismo já desisti há muitos anos) mas que, aparentemente, esse tipo de planta poderia ter sido seguido pelos CIEPS não tenho dúvidas. Mas o poço de individualismo e vaidade em que estavam mergulhados Brizola, Darcy e seu Oscar, não permitia que nascesse alguma coisa humana e simples.

Cada vez que eu penso que o primeiro ministro sueco vai trabalhar de bicicleta…

Luiz D´ disse em 18/08/05 10:29 …

Bons tempos em que a Escola Pública funcionava bem.
Quantos amigos estudaram (e aprenderam muito) na Escola Cócio Barcelos, ali em frente da Colombo, na esquina da Av. N.S.de Copacabana com Barão de Ipanema.
E continua o desafio: quem irá publicar uma foto da Biblioteca Thomas Jefferson na Av. Atlântica, perto da Santa Clara?
http://fotolog.terra.com.br/luizd

andredecourt disse em 18/08/05 10:33 …

Luiz a Córcio Barcelos também tem um cláusula de doação igual a da Cícero Penna, só que mais anterior, dizem que o Dr. Córcio morreu afogado na praia na frente da Barão de Ipanema, e seus pais penalizados, doaram a sua casa para a municipalidade para lá ser feita uma escola.

Acho que a casa original foi posta abaixo já nos anos 40, pois o prédio lá flerta com o Art Decô

betotumminelli disse em 18/08/05 10:33 …

Sorte da garotada ter uma paisagem tão bonita como a Atlantica. Me lembrou meus tempos de Colégio São Paulo, onde as aulas de matematica, fisica e quimica rolavam e eu olhava a praia doido pra tocar a maldita campainha e ir dar um tchibum.

:-) )))

JRO disse em 18/08/05 10:38 …

Pegando o gancho do AG sobre a Suécia, soube de uma pessoa que fez um estágio lá numa grande fábrica do setor automotivo.
Ele (ou ela) ia de carro com um amigo para o trabalho e sempre que eles chegavam cedo o amigo parava o carro longe da entrada.
Indignado o brasileiro perguntou porque que o amigo sempre parava longe, e a resposta foi de que, fazendo assim, aquele colega que chegasse tarde ou atrasado teria a chance de parar seu carro mais perto e consequentemente poderia entrar mais rápido em seu trabalho, enquanto que eles tinham tempo de sobra para caminharem até a entrada.

De fato esta escola deve ser muito melhor do que as drogas dos CIEPS.

JRO :-) )

lucia disse em 18/08/05 10:45 …

Buenas!!

:) )

Waldenir disse em 18/08/05 10:51 …

Interessante reparar na placa de rua da esquina,com plástico inteiramente branco,ao invés do atual,azul e branco.Do que será o anúncio em cima?

andredecourt disse em 18/08/05 11:23 …

Waldenir, essas eram as placas de esquina da época da Guanabara, poste prateado, placas de acrilico brancas, com a fusão o contrato deve ter caducado, foi feito certamente um novo e elas foram obedecer o mobiliário da PCRJ do meio para o final dos anos 70, pretas e placas azuis, como os sinais de transito e as antigas placas de direção

AG disse em 18/08/05 12:02 …

Bela escola também é a Henrique Dodsworth ali na Epitácio Pessoa, antes de chegar à Lagoa.
Tem, também aquela que fica no Largo do Machado; como é mesmo o nome ?

São vários belos exemplos que, se os “brizolontes” quisessem, poderiam ter sido modelos para muitos CIEPS. Vários arquitetos, seguindo característica próprias dos lugares em que estariam as escolas, poderiam ter concorrido e, com certeza, teríamos várias novas idéias interessantes.
E não me venham com aquela velha história que o sistema modular dos CIEPS era para baratear a obra; de babaquice eu já estou cheio.

Outra coisa: quero deixar bem claro que nunca fui contra o sistema de ensino em um único turno em que a criança entrasse às 7 da manhã, estudasse, almoçasse, à tarde praticasse esporte e fosse para casa, à tardinha, banhado e lanchado. Infelizmente neste país o radicalismo impera. Se você não for comunista é porque você é facista. Se você acha que o Zé Dirceu é um pulha é porque você é fã do A.C.M.

Vão parar aí com estes maniqueísmos de estudante idiota de cara pintada e idéias envernizadas.

RICK disse em 18/08/05 13:43 …

Voce tem a foto da casa antes do monstrengo de ensino?

andredecourt disse em 18/08/05 13:46 …

Não em detalhes, só de longe

Rafael Netto disse em 18/08/05 13:47 …

Acho que os CIEPs são pinto perto dos CAICs (ou CIACs?) do Collor. Enquanto aqueles, mesmo com todos os seus defeitos, foram efetivamente construídos e funcionam, estes viraram elefantes brancos e foram depredados.

Meu pai visitou as obras do futuro “CIAC Esportivo” em Jacarepaguá, que teria quadras, ginásio, velódromo e alojamentos. Muita coisa já estava quase pronta. Hoje em dia não há mais NADA no lugar.

photomechanica disse em 18/08/05 17:37 …

A Atlântica começou a ser duplicada em 71, no final, não é?

andredecourt disse em 18/08/05 17:45 …

Exato começou no Leme onde não havia a necessidade de passar o interceptor, em homenagem ao carrinho que está no seu flog, farei um post amanhã com ele na ativa em 1942 !!!

jason_1900 disse em 18/08/05 18:39 …

Quando criança, uma das minhas maiores alegrias era era brincar de carrinho de ferro em coma dessa mureta do Cícero Penna.

Nos anos 80, se não me engano no governo Moreira Franco, falaram várias vezes em demolir essa escola, para construir garagem subterrânea. Fico imaginando os problemas que teriam com o lençol freático.

leflaneur disse em 19/08/05 00:53 …

É melhor do que qualquer coisa da tartaruga, mas ainda assim ainda é ruim

Marcelo Almirante disse em 19/08/05 06:25 …

Fiz o primário e o ginasial nessa escola. Um privilégio estudar com a brisa do mar. Estudava-se francês também.

Outro ponto escandaloso dos Ciep’s é que foram projetados para serem produzidos em série, o que na verdade não acontecia, pois em cada obra as peças eram feitas no próprio canteiro, ou seja, não havia produção em série.

brites disse em 19/08/05 07:08 …

Me lembro bem desta escola na paisagem da av Atlântica. Bem mais simpática q os cieps, não?!?
*s Bom dia!