andredecourt's photo de 10/11/05

Hoje teremos outro post duplo com o Luiz Darcy: http://ubbibr.fotolog.net/luiz_d/?pid=13619368

Ele nos mostra a região dos dois hotéis de São Conrado no ano de 1974, onde ainda podemos ver um bairro pouco urbanizado, com grandes áreas livres tomadas pela terra nua, certamente pois em breve construções iriam subir.

Mostro uma foto do mesmo ano, só que em ângulo inverso, mostrando o grande vazio que era o bairro, e o seu tecido antigo cortado pela recém ianugurada Auto Estrada Lagoa-Barra, parecendo anacrônicas naquele espaço todo.

Fora os dois hotéis, só víamos um prédio residêncial no bairro, e não na orla. Na parte inferior o grande galpão era da cervejaria Brahma que usava a estrutura como seu principal depósito de distribuição na Zona Sul, hoje nele funciona uma concessionária FIAT.

Comments (16)

roberto.rosendo@sapo.pt 10/11/05 09:47 …

No site do Luis, fiz um comentário, pois morei em São Conrado entre 1980-1989, quando fui morar em Portugal, mas a sua foto está numa outra perspectiva. E responde a minha minha pergunta que fiz no site do Luiz, já existia a auto-estrda Lagoa-Barra e antiga estrada da Gávea ao seu lado, é de notar que do lado direito onde está um edifício, parece que em 1974, já existia o posto de gasoilina, que em fins dos anos 80 era Atlantic.
Ao lado do então depósito da Brahma, está o terreno que seria mais tarde os edifícios Village São Conrado, já exsitindo as pistas que circundam o terreno.
Do outro lado oposto a pista que circunda o village, mais próximo ao interncontinental, onde mais tarde seria aberta duas ruas, dentre as quais a Rua Povina Cavalacanti, ainda está coberta pelo mato, bem como a área onde no início dos anos 80 seria construído o shopping São Conrado Fashion Mall.
Ainda, na área em areia entre o intercontinental e o mato, ali foram construídos ainda na metade dos anos 80, quatro edificios, entre os quais o Brunelleschi, onde morei até o início de 1989 que ficava na rua Povina Cavalacanti, cujo os seus fundos confinava com a quadra de tenis do intercontinental, próxima ao Gávea Golfe Clube que era dividida por rua que mais tarde foi aberta, que ligava a auto-estrada a Av. Mendes de Morais.

luiz_d 10/11/05 09:52 …

Esta área, antes da auto-estrada, era fantástica.
Acesso pela Niemeyer ou mesmo pela Estrada da Gávea (não havia nenhum problema em passar pela Rocinha – aliás, dei aulas lá até 1973, gratuitamente, num tipo de Artigo 99).
Na altura da Estrada das Canoas, o Bar Bem e o boliche. Ao lado, a igrejinha. Mais adiante o acesso à Estrada do Joá, único caminho para os “inferninhos” da deserta Barra da Tijuca daquela época.
Do outro lado, perto da praia do Pepino, um areal cercado, explorado, diziam, por policiais, onde se permitia estacionar o carro baratinho e ficar namorando a noite toda sob as estrelas (um céu brilhante já que quase não havia luminosidade nesta área toda).
Incrível como tudo mudou.
http://fotolog.terra.com.br/luizd

jban 10/11/05 10:03 …

vazio, vazio… que maravilha. Frequentei muito o Bar Bem e o Boliche nas décadas de 70/80… Eu não sou highlander !!

Fco Patricio 10/11/05 10:04 …

São Conrado certamente seria o Bairro mais espetacular do Rio De Janeiro se:
- As autoridades tivessem impedido a instalação da pavorosa Rocinha (cada vez que trafego na Lagoa-Barra fico mais impressionado com as dimensões, crescentes, daquela favela). Remover essa “comunidade” com os politicos populistas de hoje… seria impensável.
- Fosse demolido o Hotel Nacional, acrescentando-se uma pesada punição ao seu arquiteto (o mais mitificado de todos os membros do “Partidão” , neste Paìs)por seus projetos não funcionais ( sim …o mesmo que juntamente com outros “inteletuais” assinou recentemente um documento(?) pedindo o fim do processo contra o Zé Dirceu).
Bom…me perdoem! Na verdade, ultimamente, tenho andado deprimido com o Presidente “bronco”, a Ideli Salvatti, Sibá Machado, Abickallil o STF etc.etc,sem mencionar a tristeza de ver o evangélico(?)casal Garotinho governando nosso Estado – é demais !!! Neste precário estado mental o melhor é frequentar alguns bares indicados pelos amigos do Flog.
Abraço

edubt 10/11/05 10:15 …

Pra mim essa é a Via Bagdad… Tiro não falta vindo la da Rocinha. Sempre a Rocinha…

ngrille 10/11/05 10:21 …

Já fui no Boliche e no bar tb…
Agora acabou tudo!! :-( (((((((
Aliás…. o Rio é um rio que passou em minha vida….
E agente podia ir pela Rocinha ou pela Estrada do Joá.
Que pena! Conseguiram destruir tudo.
Bjks

photomechanica 10/11/05 10:35 …

André, acho que o edifício Franklin Sampaio já existia nesta foto, e ele é de frente p/a praia – está bem lá no fundo. Foi o primeiro prédio da praia, e ele é um pouco torto, afundou um pouquinho depois de pronto.

Rafael Netto 10/11/05 11:21 …

Não sei se eu já disse isso mas acho que a questão de remoção de favelas como a Rocinha não é tanto por conta do populismo dos políticos, e sim pela questão militar.
Estes locais são feudos guardados por milícias fortemente armadas. Polícia nenhuma tem poder para ocupá-las, tanto que as únicas medidas (esporádicas) que eles tomam são prender cirurgicamente alguns líderes (que são imediatamente repostos).
A favela virou questão de guerra, é uma parte do território nacional em que o Estado brasileiro não tem autoridade. É como se um país estrangeiro tivesse invadido o Brasil.

Rafael Netto 10/11/05 11:25 …

Ah, vou ter que apelar para o Google Earth…

http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto

photomechanica 10/11/05 11:32 …

Esse negocio de post duplo prá cá, post triplo prá lá, sei não…tá parecendo coisa de Bial.

AG 10/11/05 12:13 …

Essa ocupação do Rio é uma coisa tão estapafúrdia que é difícil imaginar que além de Mogadíscio, capital da Somália, exista outro exemplo no mundo.
E nessa voracidade de conquistar terreno, Rocinha, Vidigal, Copacabana, São Conrado e Barra disputam ombro a ombro. A única diferença é que os barracos da zona sul são mais dispendiosos que os barracos da favela. E os bandidos que moram na favela ganham merreca perto do que os bandidos da zona sul ganham. Até porque os bandidos da favela, são os varejistas do mercado de drogas e os bandidos das BMW da Vieira Souto são os atacadistas desse mesmo mercado estupefaciente (desculpe o jogo de palavras). Um mercado, diga-se de passagem, que não vai acabar tão cedo porque muita gente graúda, mês a mês, ganha fortunas com ele. E para esses figurões é ótimo quando um Bem-te-vi desses é morto porque aumenta mais ainda na população a convicção que cocaína e maconha nasce no morro, é destilada no morro e vendida no morro. Policiais, Delegados, Juizes, Deputados, Senadores e autoridades em geral não têm nada a ver com isso.
No dia que vender pedras preciosas brasileiras for proibido pela lei, a H.Stern se muda para a Rocinha e o chefe do tráfico de pedras vai chamar Leon Bertoschovich.

Rafael Netto 10/11/05 12:33 …

O AG lembrou bem da Somália. Lá existe algo parecido em matéria de soberania… uma parte do país se declarou independente há uns 15 anos com o nome de Somalilândia, e ao que parece tem conseguido manter este status, embora não seja reconhecida por nenhum país do mundo. Enquanto isso o governo de Mogadíscio não se interessa, ou não consegue, reaver o território.

photomechanica 10/11/05 14:12 …

Meus Deus!
Já rotularam as BMWs como carro de bandido…

Leflaneur 17/11/05 10:56 …

BMW é carro de bandido, com certeza. E alguns modelos são de bandido de mau gosto.

flavio castellotti 09/02/07 22:17 …

somos arquitetos e estamos fazendo um projeto em são conrado. será que algum de vcs tem outras fotos interessantes do bairro, sobretudo em que figurem os dois hotéis: intercontinental e nacional. tb nos interessam fotos de personalidades na piscina do hotel nacional.
nosso e-mail é fcastellotti@uol.com.br