Na nossa imagem de hoje vemos a Rua do Catete na frente do Largo do Machado, literalmente varrida do mapa pelas obras do Metrô nos anos 70.

O trecho da Rua do Catete foi junto com o da Rua Uruguaiana um dos que mais prejudicou o comércio, moradores e urbanismo não só das vias em sí mas das regiões próximas das obras.

As obras se arrastaram, não pela crônicva falta de verbas mas sim pela complexidade dos dois terrenos por onde se decidiu passar as galerias, se na Uruguaiana tinhasm a vala, sucessora de uma das sangrias do sistema lagunar da Lagoa de Santa Antônio, no Catete tínhamos o braço do Rio Carioca, por onde a rua foi expontaneamente traçada.

Os terrenos pantanoso e o modo construtivo do metrô, pelo sistema cut and cover, causaram uma enrome devastação, como podemos ver. Nos dois trechos as paredes diafrágmas que teoricamente deveriam ser retiradas após a concretagem permaneceram nas duas vias aumentando os custos e prolongando o tempo de obras.

Na nossa imagem a área da estação Largo do Machado aparentemente já está com as paredes no lugar e vigas iniciam a construção do teto, mas a Rua do Catete rumo à Glória ainda está tomada pelas escavações. Na direita da imagem podemos ver que mais nada resta do quarteirão que abrigava estabelecimentos míticos da Zonba Sul do Rio, como o Café Lamas e a garagem de bondes, que era a maior da região.