Num distante ano de 1922 vemos a solenidade da inauguração da famosa estátua do “Índio” que fica no encontro das Avenidas Ruy Barbosa e Oswaldo Cruz com a Praia do Flamengo, no dia 16 de Setembro.

Ofertada pelo governo do México à nossa cidade dentro das comemorações da Exposição da Independência, a estátua do último imperador asteca tem uma curiosa particularidade.

O conjunto com a escultura e a base de autoria de Carlos Obregón de Santacilia, com serpentes estilizadas e baixos relevos, que invocam a mitologia Asteca é talvez um dos primeiros elementos Art-Déco a ser instalado em nossa cidade, numa época onde ainda predominava o eclético e o estilo neo-colonial era tido como o mais moderno em nosso país, vide os prédios públicos contruídos por toda a década de 20.

Sua interpretação da arte Asteca é uma variação de uma das nossas correntes de déco mais famosas a Marajoara.

Por de trás da estátua, ainda coberta com a bandeira do México ladeada pela bandeira Brasileira e uma curiosa tricolor que pode ser francesa ou italiana vemos a famosa amendoeira e o Morro da Viúva ainda livre das altas construções que o encobrem.