Nosso amiguinho, personagem do post do dia 11 de Junho ( http://www.rioquepassou.com.br/2008/06/11/ )  aparece novamente no site, agora acompanhado de sua mamãe.

Eles passeiam pelo calçadão da Praia de Ipanema, que nessa época era no canteiro central da Av. Vieira Souto, pois como sabemos até os anos 60 a areia terminava diretamente no meio-fio da pista sentido Copacabana. No canteiro central tínhamos duas largas calçadas, uma aleia com jardins e coqueiros, bancos e os postes da iluminação pública. Só no final dos anos 40 início dos 50 é que começaram surgir lugares para pedestres nas areias com a criação dos oasis planejados pelo urbanista Azevedo Neto.

Nossa imagem mostra uma Ipanema ainda tranquila e fora de moda, um bairro para pessoas que realmente gostavam do local, com um comércio tradicional e uma boemia intensa em bares como o Lagoa, Zeppelim e Jangadeiros, mas longe dos holofotes que apontavam para a Princesinha do Mar à época no auge do seu processo de saturação e destruição. Pouco menos de 10 anos depois Ipanema iria entrar em igual processo.