Por motivos de obras nosso arquivo inédito, bem como os livros e demais materiais de consulta estão indisponíveis, portando faremos um repeteco de posts que foram realizados no fotolog desde o início do “foi um RIO que passou”, quando possível com os textos revisados e enriquecidos. O de hoje, publicado em Novembro de 2004.

Av. Vieira Souto, provavelmente final dos anos 10 do Sec. XX. , foto tirada na confluência dela com as ruas Rainha Elisabete da Bélgica, e Gomes Carneiro

Vemos a implantação da tipologia de urbanização que dominou a orla de Ipanema Leblon até o ano de 1992 com o projeto Rio-Orla, com a reurbanização do canteiro central e troca do ajardinamento nos anos 30 e pelo menos mais 3 tipos de iluminação pública.

O grande canteiro central acabava de ser implantado, ainda sem as calçadas e bancos que passaram a existir nos anos 30, pois a orla de Ipanema Leblon não possuía o calçadão junto a praia até praticamente os anos 60, só existindo o trecho inicial da pedra do Arpoador até a esquina com a rua Joaquim Nabuco.

O mais curioso é notar na arborização inicialmente planejada para via, pinheiros, do tipo comumente usados para árvores de Natal, acredito que muita gente desconheça esse dado, e até eu ter posse deste material, também desconhecia, eles foram depois substituídas por coqueiros, os quais alguns resistiram bravamente a todas as modificações implantadas no canteiro central desde 1974/75.

Podemos notar também os trilhos do bonde do ramal General Osório, que era a continuação do Ramal Igrejinha, e vermos na esquina na rua Teixeira de Melo os trilhos, entrando para dentro do bairro, rumo a pequena estação que havia na esquina com a rua Prudente de Morais.

Cadernos do Edmundo
Foto de Malta