Hoje temos um post duplo com o Carioca da Gema, que mostrou em ótima foto os Arcos da Lapa na região do antigo traçado da Rua dos Arcos, bem como os imóveis que ficavam colados aos Arcos, mesmo depois das reformas de Passos ( http://fotolog.terra.com.br/carioca_da_gema_2:104 ).

Como uma das imagens já foi postada por aqui teremos duas, para manter a novidade, as imagens tem alguma diferença de tempo entre elas, mas são da mesma década, anos 50. Já a do Carioca da Gema é dos anos 20, possivelmente do início da década pela presença de um poste francês de três braços, com os lampiões retirados, indicando a troca da iluminação de gás para luz que atingiu fortemente a cidade da metade dos anos 10 até a metade dos anos 20.

A nossa primeira imagem mostra o início da demolição dos prédios que ficavam alinhados junto a Rua dos Arcos, possivelmente para a construção da Av. Norte Sul, embora haja a remota possibilidade que fosse para a desobstrução visual dos arcos ou demolição do Santo Antônio, o que aparentemente acontece por de trás, como aliás já previam os planos da PDF. O prédio do outro lado está com um aspecto muito pior que na foto do Roberto, quase com ares de abandonado, certamente já estava desapropriado. Essa foto mostra também que havia um tipo de servidão, que corria junto aos Arcos fechada por uma porta com cara de colonial, que certamente dava acesso a imnóveis localizados mais atrás.

A segunda imagem mostra já os imóveis dos dois lados dos Arcos demolidos, o que escancarou a todos décadas de construções apoiadas às arcadas coloniais, causando deformidades nos arcos.

A antiga linha de construções está junto aos últimos carros estacionados e é bem demarcada pelo poste de iluminação pública em estilo NY que pode ser visto nas duas imagens, disponíveis em melhor resolução ao clicar sobre elas. Curiosamente a velha porta ainda está lá, bem como restos de paredes, o que indica que a servidão de acesso ainda servia a algum imóvel, possivelmente era uma servidão que ia até o número 80 da Rua Evaristo da Veiga, margenando os Arcos. É interessante perceber que os imóveis da parte hoje desaparecida da Rua Evaristo da Veiga ainda estavam de pé, mas seriam demolidos pouco mais a frente.