Nossa foto de hoje mostra a Av. Princesa Isabel no início dos anos 60, com o nosso fotógrafo posicionado praticamente na saída das galerias do Túnel Novo com as lentes apontadas para o mar.

Vemos aqui a segunda urbanização da avenida, na realidade uma pequena modificação da primeira dos anos 50, realizada quando da conclusão do avenida projetada ainda nos anos 40, com a demolição do último prédio que ainda bloqueava a chegada total das pistas a Av. Atlântica, http://www.rioquepassou.com.br/2009/12/03/abertura-do-ultimo-trecho-da-av-princesa-isabel-demolicao-do-ed-edmundo-xavier/ em 1960.

Com essa realização os jardins foram refeitos, ganhando novos desenhos e plantas, bem como a avenida ganhou mastros onde foram hasteadas bandeiras de  diversos países, mas foi no trecho recém aberto que era construído o ítem mais marcante desta urbanização, o monumento à Princesa Isabel, o qual já vimos aqui no site, http://www.rioquepassou.com.br/2010/06/14/monumento-a-princesa-isabel-anos-60/ , e que vemos no horizonte da foto ainda  em seus andaimes de construção.

A foto também nos mostra um lado pernicioso da ocupação do bairro, inciada no início da década de 50, e que mesmo proíbida pelo Governo Lacerda, ainda gerava seus efeitos nos anos 60, os edifícios de apartamentos do tipo kitchinette que dominam esse trecho do bairro, resultado do alargamento da rua que criou de um lado muitos terrenos novos e do outro pela demolição de velhas construções do início da ocupação do bairro, edificadas em grandes terrenos, todos os prédios que vemos subindo na imagem hoje não gozam de boa reputação e se mostram feios e decadentes.

Destaque na imagem pela bagunça da rede aérea dos trolleys, que tinha nesse ponto um trecho de encontro e retorno de linhas, além da via larga que exigia muitos cabos para sustentar a rede.