Saímos do Rio, da Guanabara, do Distrito Federal e do Município Neutro para o antigo Estado do Rio, para mais uma vez batermos na tecla que vemos batendo desde 2003, a praga da ocupação irregular, fomentada pelo populismo, comodismo, oportunismo e claro pela bica d’água, com nomes pomposos de siglas e muito marketing político, e ignorância do povo, sempre bem cultivada pelos governantes, como um grande facilitador.

A tragédia que já ceifou 500 vidas nas cidades de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo talvez não poderia ser evitada, mas certamente poderia ter seus tristes números em muito diminuídos se a galopante favelização das cidades serranas inciada no final dos anos 80,  início dos anos 90, alimentada por políticos que se inspiravam no socialismo moreno da capital não tivesse se instalado nesses municípios.

Kaleme, Posse  e  Barra do Imbuí em Teresópolis, Duas Pedras  em Nova Friburgo, São José do Vale do Rio Preto e em partes do Vale do Cuibá em Petrópolis foram exemplos de construções irregulares feitas em encosta e zonas de expansão de leito do rio que contribuíram com sua massa, ao desabarem e serem arrastadas alimentarem a voçoroca que desceu vales abaixo ceifando ainda mais vidas, fora as dos ocupantes destas primeiras construções.

Todos que convivem com a região serrana tem na ponta da lingua os administradores que por benefício político permitiram esse absurdo, ironia um deles estar desaparecido e possivelmente morto, e que devem pagar seu preço. Não tirando a culpa de pelo menos das últimas 4 administrações federais que simplesmente ignoraram a habitação popular e das classes D e C, dando sua importante contribuição para a invasão de áreas não edificantes.

Até quando vamos ver as miseráveis cenas que se repetem a cada ano, notadamente das crianças mortas, sem nenhuma culpa do mal que lhes fulminou ?????

Lembro que o Rio de Janeiro não está livre de tais fenômenos climáticos, pois eles já aconteceram, uma cabeça d’água no Morro Dois Irmãos pode causar fatalidades muito maiores que as que estamos vendo agora, chocados.

Pelo fim do populismo habitacional em nosso país, pela remoção da população em áreas que não deveriam ser e estar ocupadas, não importando o “prejuízo” político que isso possa causar.

Na foto de hoje a antiga Estrada das Hortências que ligava Teresópolis à antiga União Indústria, que há pelo menos 25 anos assistiu suas hortências sumirem pela ocupação desordenada da região, até quando senhores administradores, até quando !!!!