Hoje temos na minha opinião de umas melhores vistas áreas do início da ocupação do Castelo e região fronteira a Av. Rio Branco.

Pelos prédios que sobem estamos na primeira metade nos anos 30, provavelmente entre 1932 e 34, vemos não só o início do processo de ocupação da Esplanada do Castelo como o da verticalização da Cidade, representada pelo Ed. A Noite fechando a imagem, e o conjunto da Cinelândia, além do pioneiro grande edifício da Rio Branco, o Palace Hotel, que podemos constatar entre o conjunto da primeira geração da avenida como era alto, como um todo e não ganhando altitude apenas com cúpulas, torretas e lanternins.

Dos prédios que vemos na Esplanada apenas dois não chegaram nos nossos dias,  justamente o pioneiro da região, a antiga sede da ACM e também onde surgiu a UDF, posteriormente UEG e hoje UERJ, demolido nos anos 50 para a construção do Ed. Aliança da Bahia, e um edifício eclético na esquina da México com Alm. Barroso. Mas vemos claramente os edifícios Itahy, Castelo e Raldia ( o Nilomex ainda não havia sido erguido), o da Sociedade Bíblica Americana ( http://www.rioquepassou.com.br/2011/05/04/sociedade-biblica-americana-sede-do-brasil/ ), o até hoje ocupado pela Procuradoria da República.

O Ed. Standard, estava em fase de acabamento, vemos toda sua estrutura levantada, bem como a parte de alvenaria concluída, mas o elevador externo, como a total ausência das janelas mostram que muito ainda faltava para a conclusão do edifício. No local  de parte do Ed. Novo Mundo e da Praça 04 de Julho vemos apenas uma pilha de escombros, possivelmente restos de alguma instalação da Expo de 22, que aliás pouca sobra nessa imagem. Apenas o Pavilhão dos EUA, que nessa época era usado como embaixada.

Na Rua de Santa Luzia antigas construções ainda teimam em mostrar o antigo relevo da cidade, a afastada linha do mar e o antigo Morro do Castelo, ao fundo uma cidade ainda baixa, onde as cúpulas das igrejas, notadamente da Candelária e dos poucos prédios de concreto armado se sobressaem.