Nossa foto de hoje mostra um pequeno trecho da Praia do Flamengo, certamente um dos mais marcantes pela presença do “Castelinho”, uma das construções ainda originais da orla surgida com a retificação da precária via que acompanhava um também precário arrocamento e ocupada pelos fundos dos imóveis das ruas Sen. Vergueiro e Catete, que após retificada se transformou numa das mais belas promenades de seu tempo.

O urbanismo de Passos ainda não havia sido modificado, nem no seu mobiliário urbano e se mostrava totalmente consolidado com árvores crescidas e jardins densos, vemos que os jardins ocupavam todo o canteiro entre a velha via da praia e as novas pistas abertas, nas fotos já do final dos anos 20 esse jardim havia sido suprimido.

Além do Castelinho, um delírio eclético com elementos art-noveu, neo-gótico e fiorentino, projetado pelo arquiteto Gino Copede a mando de Joaquim Silva Cardoso, negociante imobiliário, como o prédio foi levantado em 1918 imaginamos que nessa foto ele estava recém construído. Infelizmente os anos de abandono a partir dos anos 70, a ocupação fracionada, os seguidos incêndios e a penúria após sua desapropriação inicialmente para uma obra viária,  fizeram muitos elementos, notadamente os de estuque do primeiro andar se perder, mas no geral o prédio mantém alguns vitrôs e pisos originais, bem como os trabalhos de serralheria e ornamento externos.

O fotógrafo estava na esquina da praia com a Rua Buarque de Macedo onde mais um castelinho eclético, de vida curtíssima, pois seria demolido já nos anos 30 para a construção de um dos prédios déco na região ( http://www.rioquepassou.com.br/2009/02/17/pegadinha-5/ ), se mostrava em sua curiosa arquitetura, no outro vértice da esquina o gradil demonstra que ali possivelmente existia um palacete, também de vida breve, pois seria destruído no final dos anos 40 para a construção do classudo edifício que está lá hoje, um de uma pequena série de edifícios com a mesma tipologia que se espalham pelo bairro do Flamengo.

No mobiliário urbano além da rede de bondes vemos os postes em estilo francês com os combustores a gás e no canteiro central um lampião dos postes mistos ( 2 combustores a gás e uma luminária de arco-voltáico) do tipo que foi usado em praticamente toda a Beira Mar chegando até a Av. Pasteur.

Mais uma vez agradecemos ao Carlos Ponce de Leon de Paiva pela imagem de hoje.