Voltamos a mais uma foto do Sr. Gyorgy Szendrodi e novamente estamos numa tarde de inverno em Copacabana.

O sr. Gyorgy fotografa o ponto incial do bairro rumo ao seu desenvolvimento, naquela época uns 80 anos antes, onde vemos o grande prédio do CCC havia a velha estação e garagem de bondes da Light inaugurada juntamente com o precário ramal de bondes a burro que partia de Botafogo e findava em agreste areal ( http://www.rioquepassou.com.br/2007/09/19/praca-malvino-reis-1892/ ). Logo o ramal começou a se expandir, rumo ao Leme e a Igrejinha, ponto mais povoado do bairro na época e nesse ponto de encontro um incipiente comércio surgiu, bótica, bar, venda, banca de jornais e bilhetes etc… Um dos mais antigos era o armazem de produtos finos Au Bom Marchè inaugurado no bairro em 1907 e que fazia um contraponto ao nem um pouco chique Café Pernabuco, ponto de crônica policial e boemia, seja a qualquer hora do dia, formando no início do processo de urbanização do bairro, por volta de 1910/1915 um triangulo de grande fama ( http://www.rioquepassou.com.br/2009/09/09/praca-malvino-reis-e-hotel-estacao-de-copacabana/ ) e ponto de encontro do bairro.

Mais uma vez o Sr. Gyorgy fotografa um  ponto histórico que em breve desapareceria, como já havia acontecido com o Café Pernambuco, demolido pouco antes como vemos o canteiro de obras mais a frente. Mas o antigo sobrado do chique estabelecimento ainda se mostrava em razoável estado de conservação, que foi piorando até ser demolido no final desta década.

Infelizmente o Sr. Gyorgy não fez nenhuma foto do imóvel de frente para vermos se o velho armazém ainda funcionava nele, se tivesse resistido mais uns 10 anos do que resistiu teria sido tombado.

Na praça vemos as bancas da Feira do Livro sendo montadas