Nessa foto do Sr. Gyorgy Szendrodi vemos a decoração da Av. Pres. Antônio Carlos para o desfile das escolas de samba há quase 40 anos atrás.

O uso da Esplanada para palco do desfile foi fugaz e durou apenas 3 carnavais, principalemte pois a via mais usada para os desfiles a Av. Pres. Vargas, estava convulsionada pelas obras do Metrô e a Av. Rio Branco não mais comportava a estrura de arquibancadas que as escolas de samba começavam a demanadar, embora nessa época a velha Rio Branco ainda era decorada e usada pelas agremiações carnavalescas, escolas do grupo de acesso, bocos e foliões solitários. Liberando-se a Pres. Vargas o desfile voltou para ela por mais um ano, logo depois encontrando na arruinada e demolida Marquês de Sapucaí seu pouso até a construção do abominável Sambódromo.

Vemos que do lado direto a via ainda guardava as cicatrizes do desmonte do Castelo e da destruição do Bairro da Misericórdia e a primeira construção de monta a surgir depois da Rua de Santa Luzia era, na época  bem envelhecido, o Ed. Estácio de Sá.

O prédio da Embaixada da Itália, com ar de abandono ainda devia estar sendo ocupado pela Faculdade de Filosofia, uso que o prédio possuiu depois de ter sido confiscado, como outros bens dos países do Eixo quando o Brasil entrou na II Guerra.

De resto vemos a urbanização da região na épocas, antigos postes da Light, sinais de duas lentes, e os postes da iluminação provisória do Aterro do Calabouço e Glória, só unificada com o resto do Aterro no final de 1973.