Hoje temos um dos locais clássicos de Copacabana e possivelmente da Z. Sul, a Galeria Menescal. Construída por Humberto Menescal, pouco antes do Brasil entrar no conflito contra o Eixo a galeria, juntamente com o edifício de vários blocos da qual faz parte obedecia uma interessante exigência da época, o sub-solo reforçado para aguentar bombardeios aéreos, aliás a arquitetura da grande garagem é muito parecida com a que fica por debaixo da Praça dos Expedicionários no Centro, com igual função.

Além da garagem a Menescal possui uma galeria de serviço, para carga de descarga e desembarque para as portarias dos blocos, hoje praticamente abandonada possivelmente pelo aumento do tamanho dos caminhões e mudança de ocupação dos apartamentos, de exclusivamente residencias passaram a abrigar inúmeras clínicas médicas.

A galeria flerta entre o eclético e o art-déco, principalmente pelo mosaico do piso e o farto uso de portões metálicos e mármores, a volumetria do teto também é bem característica do estilo.

Aparentemente o Sr. Gyorgy tirou a foto numa hora de fechamento de grande parte das lojas, embora haja algumas abertas bem como movimento, principlamente na frente do Baalbek, famosa casa árabe que além da lanchonete de hoje ocupava uma grande parte das sobre-lojas do lado direito entre os dois largos da galeria, e lá havia um grande restaurante. Fechado no início dos anos 90 quando o INSS vendeu grande parte de imóveis de sua propriedade, que incluía muitas lojas na Menescal.

Além do letreiro de neon do Ballbeck vemos outros que não mais existem como da loja de flores, Floricultura Belinha, famosa pela vitrine com pequena cascata, da ótica Optiglass. E de outras lojas que ainda resistem como o letreiro da Kodak da Film Caneta.

A foto ainda me matou uma curiosidade, em algum momento da infância jurava que havia acontecido uma troca de iluminação na galeria, há incluive nas vigas dos teto cicatrizes vistas em dia de muita luminosidade. Mas ao ver essa foto do Sr. Gyorgy vi que as luminárias eram as mesmas de hoje. Mas achei a luz delas muito branca, por isso resolvi conferir. De fato as luminárias são as mesmas, mas hoje em dia só há metade delas, há vigas com e sem luminárias e a mudança de iluminação que me recordo é a troca das incadescentes para as de mercúrio com a supressão das luminárias excedentes.