Na nossa foto de hoje vemos o praticamente ignorado Conjunto Habitacional dos Marítimos localizado em pleno Santo Cristo, numa das áreas que sofreram um dos maiores processos de decadência da cidade nos últimos 30 anos, e que através de um projeto cheio de equívocos tenta retira-la desde estado aproveitando uma região extremamamente bem localizada para a instalação de novos equipamentos embora até hoje a Cidade Nova, arrazada nos anos 70 aguarda ser 100% implementada.

Contruído no surto habitacional dos antigos IAPs o Marítimos bebe na concepção modernista das “máquinas de morar”, porém de arquitetura utilitarista e que tem o relevo agressivo vencido pelo projeto de Firmino Saldanha, curiosamente arquiteto de alguns dos melhores edifícios de apartamentos da cidade como por exemplo o majestoso Missoury na Rua Constante Ramos.

O complexo construído nas encostas do Morro da Providência se articula em vários blocos, alguns de tipologias diversa, numa interpreteção livre do Edifícios Serpentina de Reidy, não tendo a mesma leveza estrutural, mas cumprindo seu objetivo de ocupar toda a área, de constituição complicada, para dar moradia aos mutuários do IAP.

A foto dos anos 50 mostra o conjunto possivelmente logo após de ter sido entregue pois seu projeto data de 1955.

Firmino Saldanha é um dos modernistas eclipsados pela overdose Niemeyer de nossa sociedade, pois espalhou inúmeros projetos seus, notadamente prédios de apartamentos de concepção muito moderna nos anos 30 e 40, que sem proteção do DGPC, INEPAC e IPHAN vem tendo vários de seus elementos desfigurados por síndicos omissos e mal informados, como o mural do Ed. Jarau na Rua Bolivar, esquina com Leopoldo Miguês, que teve seu mural de pastilhas extirpado da portaria.