Nossa imagem de hoje tem 36 anos e mostra a saída do esquife de Juscelino Kibitschek do edifício da Bloch Editores no Russel para o SDU, onde seria levado para ser enterrado em Brasília.

O velho prédio da Bloch, ou Manchete, sempre esteve ligado ao ex-presidente, desde sua construção através de projeto de Niemeyer, levantado em duas etapas e após sua volta do exílio onde o velho Adolfo lhe cedeu uma sala para que montasse um escritório. E certamente ali seria um dos locais da tentativa de rearticulação da Frente Ampla, que uniria três figuras políticas importantíssimas, mas verdadeiras antíteses uma de outra, JK, Jango e Lacerda. Nomes que arrastavam multidões mesmo durante a ditadura militar, e que unidos possivelmente causariam tanta comoção que o regime dos generais não suportaria. Curiosamente todos os 3 morreram próximos e mortes até hoje 100% não explicadas.

Já se fazia 10 anos da Declaração de Lisboa e oito anos da Resolução 177 do Ministério da Justiça, que teoricamente tinha sepultado o movimento. Mas o mesmo juntamente com o tênue descortinar de uma distenção política ganhava força como um braseiro atiçado, além do mais com os movimentos radicais de esquerda desmontados por anos de perseguições ficava muito mais fácil a aceitação dos cassados Lacerda e JK pelas alas mais à esquerda do MDB e setores que operavam na clandestinidade.

O acidente de JK, a morte por “gripe” de Lacerda e o enfarte com travesseiro do rosto de Jango até hoje alimentam as mais diversas terorias conspiratórias.

Na foto, vemos uma Rua do Russel tomada por populares, num movimento muito parecido com o de uma Agosto de 1954, onde de um pouco mais a frente outro lider carismático saia morto rumo ao SDU, o mais impressionante que logo após a saída do prédio da Bloch os populares avançaram rumo ao Aterro e em número muito maior bloquearam as pistas até chegarem ao aeroporto