Nossa foto de hoje mostra duas embarcações da Frota Carioca, a barca Itaipu e o aerobarco Ipiranga.

Acho que estamos no pier de Niterói e a barca se prepara para ir para o Rio, ao fundo vemos a nuvem de fumo de uma das barcas da Cia Cantareira. Se a Frota Carioca, junto com a Frota Barreto, sua controladora após 1948 e a Cantareira desapareceram após a violenta Revolta das Barcas que destruiu a estação de Niterói a as propriedades privadas da família Carreteiro dona das três empresas, a Itaipu até hoje navega e o pior no transporte regular de passageiros e não no turístico.

Construída nos EUA em 1950 a Itaipu é o retrato do total desrespeito ao transporte público de massas em nossa cidade, ultrapassada, lenta, apresentando constantes defeitos e manobras lentas no atracamento; andar na Itaipu além disso significa a perda certa de audição pois a sua cansada estrutura produz uma altíssima sinfonia de vibrações principalmente nas frouxas esquadrias.

A privatização da CONERJ, foi uma das mal feitas concessões do Governo Marcelo Allencar, juntamente com a do Metrô, contratos irresponsáveis, frouxos e que ainda tem o beneplácio da omissa agência reguladora estadual. O resultado é que nos dois sistemas o desrespeito ao usuário foi e é a tônica, ainda mais nas Barcas S/A até o início do ano controlada por uma empresa de ônibus.

A linha para São Gonçalo, licitada, nunca saiu do papel, a linha para a Ilha tem saídas de hora em hora, a de Paquetá entrega o morador daquela ilha e aos turistas um péssimo serviço  e para Niterói nem mais a barca da madrugada existe mais. O potencial de transporte da Baia da Guanabara é praticamente ilimitado o que ajudaria em muito desafogar o tráfego da cidade, bem como o da Ponte, mas certamente isso não deve interessar a certas pessoas.