Fazendo um post triplo com os Saudades do Rio, original e clone postamos hoje uma foto do Maracanã e Maracanânzinho na segunda metade dos anos 50.

Embora uma parte do complexo planejado nos anos 40 ( http://www.rioquepassou.com.br/2008/03/25/maquete-do-estadio-do-maracana/ ) já estava erguida, no caso o ginásio, praticamente tudo era improviso, da enorme área descampada e vazia, do sistema viário improvisado entre o terreno do estádio, as instalações da Escola de Veterinária e o muro da linha férrea chegando até mesmo ao estádio, inaugurado incompleto tendo permanecido assim por mais de 10 anos.

As arquibancadas eram de concreto nu, apenas desenformado, áspero e com britas, os banheiros e outras instalações eram precárias, não havia revestimento em praticamente nenhuma parte do estádio, apenas o concreto bruto, a iluminação fora os refletores do gramado, usando lâmpadas incadescentes de altíssima potência e com sobre-voltagem, prática comum em praças de esportes na época era praticamente nula, fora que o estádio inconcluso, estava sem impermebealização nas marquises e arquibncadas, apresentando já no início dos anos 60 problemas estruturais preocupantes.

Somente no governo Lacerda é que o estádio foi parcialmente acabado, ganhou o revestimento de pastilhas azuis que tanto o marcou durante décadas, teve suas arquibancadas forradas por nata de cimento, as marquises  e rampas ganharam as planejadas luminárias, foram criados jardins na parte próxima ao estádio e ao ginásio, houve sua primiera recuperação estrutural  e a Radial-Oeste foi concluída neste pequeno trecho, terminando logo após a área ocupada pela Favela do Esqueleto ( http://fotolog.terra.com.br/sdorio:1532 ), regularizando finalmente os limites do complexo esportivo.

Mas os outros equipamentos planejados, como o estádio de atletismo e o parque aquático só foram concluídos nos anos 70 e muitos dos equipamentos imaginados pelo arquiteto Miguel Feldman e sua equipe, como a concha acústica e as quadras de tênis nunca saíram do papel.

Resta saber o que sobrará do velho estádio depois da “reforma”  feita de forma muito mais custosa que construir um novo estádio para a Copa e olimpiadas em outro local.