Nossa foto de hoje de autoria do Sr. Gyorgy Szendrodi mostra a embocadura da Av. Oswaldo Cruz, vista de uma das calçadas da Praça Cuauhtemoc, mais conhecida como Praça do Índio, graças ao monumento inaugurado em plena Expo de 22 ( http://www.rioquepassou.com.br/2009/04/05/inauguracao-do-monumento-a-cuauhtemoc-16091922/ ) que homenageia o último imperador Azteca. Na época de nossa foto a conformação da praça já havia sido profundamente alterada graças a construção do Aterro que provocou na junção das pistas do Flamengo com as do Morro da Viúva, uma profunda mudança não só no traçado das vias como também uma reorganização da praça e calçadas circundantes.

Vemos um detalhe interessante na Av. Oswaldo Cruz, além de vermos o sistema de iluinação instalado nos anos 30, com ós típicos postes para largas avenidas da Light a impressão que o canteiro da avenida foi deslocado alargando a pista da direita para 4 faixas de rolamento e deixando a da esquerda com pouco menos de 3 faixas de rolamento.

Além do castelinho projetado por Heitor de Mello no início do séc. XX vemos outra casa da belle èpoque carioca, demolida nos anos 90 certamente quando se cogitava seu tombamento, ficando a orla do Flamengo apenas com a Casa de Julieta Serpa como a outra casa que retrate esse estilo de construção e uma época.

Nossa foto de hoje é uma justíssima homenagem ao Sr. Gyorgy Szendrodi que na edição do dia 25 de novembro foi colocado junto a nomes como a família Ferrez e Malta como um dos retratistas históricos de nossa cidade cobrindo o período do início dos anos 70, o que deixa este site, um dos primeiros a publicar suas imagens na rede, após lhe pedir autorização muito satisfeito com tal reconhecimento.