Como bem falamos nos nosso últimos 2 posts as intervenções para a urbanização da esplanada de Santo Antônio criaram, fora do eixo da Av. Chile mais malefícios que benefícios legando uma região sub-utilizada e cheia de terrenos baldios mais de 40 após o fim do arruinamento do morro, e pelo menos 30 das últimas demolições.

Nossa foto de hoje mostra o desaparecimento total do último quarteirão da Rua do Senado bem como de praticamente quase toda a Rua Pedro I, inclusive a supressão do traçado de seu trecho sem saída junto as encostas do morro.

Local de grande importância para o teatro e as diversões carioca local no séc. XIX do Varietè e depois já na virada do séc. XX do Recreio Dramático e já na sua demolição em 1968, Teatro Recreio , portanto aquele terreno viu atividades teatrais por quase 100 anos. O  prédio desapropriado, junto com toda a região desde 1948 foi despejado de sopetão pelo governo do EGB num dia primeiro de abril, algo irônico pois foi no antigo Recreio Dramático que o golpe contra Pedro II foi urdido. Durante todo o resto de 68 a companhia de teatro de Válter Pinto ficou vendendo os equipamentos do teatro, como elevadores, sistemas hidráulicos, madeirame, instrumentos musicais, poltronas e até mesmo a escada em fer-forgè do prédio.

Nossa foto mostra inclusive a linha de meio fio, que em breve desapareceria de vez, no asfalto castigado os trilhos do bonde ainda teimavam aparecer, bem como a velha luminária em estilo NY, com metade do globo tomado por insetos e água demonstrava que nem mais a Light fazia a manutenção. Do outro lado da rua tapumes também mostram que todos os imóveis já foram ao chão, deixando até hoje terrenos vagos, como o da esquina com a Lavradio, improvisado hoje como uma praça, sub-utilizada onde funestamente está o belo mural de cerâmica do sinistrado Edifício Andorinha.

Todo o passado boêmio desse pequeno pedaço de chão, onde as melhores revistas e espetáculos humorísticos encontravam seu pouso na época de demolição desapareceu. Hoje temos uma rua morta, com pontos de ônibus para a Zona Oeste, fundos dos grandes prédios da Av. Chile, dois grandes terrenos vazios e cheiro de urina, que nem os postes canadenses roubados da Av. Atlântica conseguem disfarçar.