Ao ver a imagem de hoje é impossível a não associá-la ao livro O Cortiço de Aluízio de Azevedo, afinal por esse local passaram vários personagens dos dois cortiços rivais do livro, o São Romão à direita e o Cabeça de Gato à esquerda. O mais incrível que a pedreira que mantinha o São Romão e o Cabeça de Gato de fato existiram e restos deste segundo ainda subsistem na esquina das Ruas Bambina e Mal Niemeyer, e que deveriam ser tombadas, pois os telhados metálicos colocados em 2014 já descaracterizaram esse importante registro.

É irônico saber que um dos hospitais mais caros da cidade foi construído nas ruínas de um cortiço, possivelmente uma das partes do “Cabeça de Gato” segundo contava um de seus fundadores, amigo de meu pai. A Mal Niemeyer, antiga Travessa Figueiredo deveria ser mais estreita que hoje, e certamente bem pouco nobre.

A nossa foto, possivelmente do final dos anos 40, ou início dos 50, mostra a velha Rua Assunção, sofrendo obras de infra-estrutura, aparentemente está sendo instalada uma adutora de água potável. Vemos a rua parada no tempo, com o pavimento tomado de terra, na direita vemos possivelmente a entrada de uma das pedreiras, que dominavam a região, e que poucos anos depois seria ali rasgada a rua Min. Raul Fernandes, possivelmente quando os planos da Av. Radial Sul foram engavetados, pois ela está justamente no traçado da larga avenida, mas não respeita seu alinhamento.

Até poucos anos atrás, esse fundo de Botafogo, não obstante a presença de belas casas, tinha uma função quase industrial, no lugar das velhas pedreiras, cortiços e avenidas para o baixo proletariado surgiram oficinas de carros, Ferrari, Alfa Romeu, BMW e  Mercedes tiveram oficinas especializadas no local, e mesmo nos anos 80, depois do fechamento do mercado, esses letreiros desbotados estavam na fachada de algumas oficinas que tentavam manter a frota, me lembro de 1985 ter entrado na oficina da MB, que funcionava num galpão construído onde ficava a casa na direita, e ter saído com um prospecto da Mercedes W123 1976 cheirando a novo.

O belo sobradão na esquina com a Mal. Niemeyer surpreendentemente ainda está de pé, não obstante da gula do Hospital Samaritano pelos imóveis contíguos, infelizmente os últimos anos trouxeram transformações radicais para esse pequeno pedaço do bairro, a boa que a região está mais residencial e a ruim é que vários imóveis antigos foram sumariamente demolidos para a construção de prédios bodosos e sem alma.