Em seis meses a prefeitura mudou tudo o que imaginava para o sistema de ligação, saiam os viadutos por cima da Praça Juliano Moreira, os túneis pelo Morro de S. João e Inhangá e a auto-estrada com rampas rumo a Copcabana.

A PDF no final de 1938 subvertia o antes imaginado e imaginava algo muito parecido com o de hoje.

Seria construída uma variante à Praia de Botafogo mais ou menos na altura da Rua Visconde de Ouro Preto que embocaria entre os dois clubes de regata, ali seria construído um viaduto para a Av. Pasteur em cota mais alta para a passagem de bondes e ligação local entre Urca e Botafogo e a retificação do aterro da Av. Pasteur até o encontro do aterro do Fluminense Yatch Club, criando uma nova avenida à beira mar.

Vemos que a boca para a enseada era puro Art-Déco com algo de Morpurgo, que planejava a Cidade Universitária da Quinta, como já mostrado aqui no site, as estátuas na cabeceira do viaduto e o visual monolítico pareciam sair de alguma obra do governo de Mussolini .

De interessante temos o grande belvedere envidraçado no topo do túnel, acessado por duas entradas laterais, sugerindo até mesmo o uso de elevaores.

Já a boca virada para Botafogo seccionava a Av. Gal Severiano, que perdia seu cruzamento, e pelo que observamos nem haveria uma via que passasse por cima da boa do túnel como acontece hoje, observamos no croqui que o túnel teria mais uma faixa de rolagem que o que foi efetivamente implantado, e de fato os dados comprovam, este projeto previa um túnel com  25 metros de largura e o Pasmado de hoje tem apenas 20 metros de largura.

Nesse lado não teríamos um mirante coberto, mas sim uma espaço acessado por escadas, em dois níveis, mas é abóboda interior do túnel que nos chama a atenção, pois solução aí imaginada, foi a de fato usada em todos os túneis construídos e reformados na cidade nos anos 40 e 50,o que não deixa de ser muito interessante.

Desse ponto uma nova avenida, dessa vez em um só plano passaria pelos terrenos do Botafogo de Futebol, chegando na praça Juliano Moreira, onde a velha Rua do Túnel seria alargada, junto com o Túnel Novo para 30 metros, a fim de ser secionada em duas vias, uma para os carros e outra para os carris e pedestres, chegando em Copacabana a Av. Salvador Correia as vias com 30 metros continuariam segmentadas até a Rua Suzano ( atual Min. Viveiros de Castro), onde os carris entrariam para a distribuição em Copa e no Leme e a Av. Salvador Correia seria alargada para 34 metros até o encontro com a Av. Atlântica criando uma porta de entrada para o bairro.

Esse projeto apesar de muito semelhante ao de hoje, ainda não era o definitivo e evoluiu para outros, como veremos…..