Há 09 anos e quatro dias fazíamos um post, nas consequências de uma tormenta, tão forte como a da noite passada e madrugada.

Se naquela época vivíamos o boa-oba da Copa e em breve olímpico, o oba-oba do PMDB Fluminense que rapinava o estado debaixo da ilusão do “Milagre Econômico da Era Lula”, hoje estamos vivento o legado, legado este que este site alertou aos cariocas inúmeras vezes que receberíamos e seria dolorosamente pago.

Hoje vivemos a falência política em todos os níveis, onde a tal “Nova Era” não passa de mais um fanatismo de lado de assembleia, colhemos os frutos da polarização política  e o nosso inútil ( como seria também o outro) prefeito é o retrato desse Binário político burro que vem corroendo o país.

Se antes tínhamos o falso carioca, hoje temos o falso homem público, o Bispo não passa de um homem privado defendendo os interesses sórdidos de seu tio, da sua estelionatária igreja e de grupos políticos/empresariais com que ainda possa barganhar.

Nunca a cidade esteve tão abandonada, nem no crepúsculo administrativo da Adm. Saturnino Braga tido até então com o pior administrador que passou por esta sacrificada urbe, serviços básicos como poda de árvores, limpeza de galerias pluviais e coleta de lixo de limpeza pública estiveram tão negligenciados. A cena mais comum é vermos bueiros e bueiros com sedimentos até suas grelhas, em quantidades que muitas vezes chegam a 90% dos ralos de um quarteirão. Órgãos eficientes como a GEO-RIO, RIO-LUZ, RIO-ÁGUAS, COMLURB estão praticamente inoperantes, a companhia de limpeza urbana virou moeda de troca política, tudo muito diferente de quando sua espinha dorsal passava intacta de administração por administração.

Depois de outros 3 temporais desde logo depois do Natal, nada era resolvido, galerias permaneceram entupidas, árvores não foram podadas para aliviar seu peso, ou quando foram fora aleijadas e desequilibradas por gente que não é do ramo (a FPJ  está extinta), encostas não foram vistoriadas e a fiscalização de construções ilegais (no asfalto e na favela) e a de posturas continuaram inexistentes.

A múmia que se diz prefeito demorou horas para aparecer quando a cidade mergulhava no caos, minimizou com o discurso de púlpito a sua ineficiência, não teve coragem administrativa de vir a TV as 6 da manhã e decretar feriado na cidade, e agora volta a TV diante de requebros evasivos novamente tirar de si parte da responsabilidade do caos.

É inegável que o Rio vem acumulando uma sequencia bizarra de gente não interessada, ou interesseira na sua administração, do socialismo moreno de Brizola, chegando ao balcão de negócios de Cabral, Dudu&amigos; mas nunca tivemos alguém tão deconectado com a realidade da  cidade como o Sr. Marcello Crivella, um patético boneco de cera que chegou ao poder graças a outra figura patética, representante de outra seita.

O Rio vem resistindo, pois afinal é a Mui Leal e Heroica Cidade de São Sebastião, mas até quando, até mesmo seu povo se brutaliza e emparvece a cada dia, nem parece que uma vez o Carioca gerou um personagem de Walt Disney…

Tempos estranhos……..

 

Na foto a Rua dos Arcos, antes de desaparecer para nada…