Estamos no dia 11 de Agosto de 1964, numa manhã cinzenta no cemitério São João Batista é enterrado Affonso Eduardo Reidy, nascido em Paris e falecido precocemente com apenas 55 anos de idade mas um dos mais importantes arquitetos modernistas do Brasil e junto com os irmãos Roberto, na minha opinião os melhores, por conseguirem executar programas completos indo de residências uni familiares até prédios institucionais de grande porte. Reidy ainda teve a qualidade de ter integrado por praticamente toda sua vida profissional os quadros da PDF e depois EGB deixando legados importantíssimos como o Aterro, o MAM, o Pedregulho, e é nesse ponto da solução para a habitação popular que Reidy se destacava, sua solução dos prédios fita nas encostas da cidade era genial e poderia ter se repetido dezenas de vezes, ajudando a reduzir o déficit habitacional da cidade.

Depois de muita pesquisa consegui descobrir o exato local do sepultamento do grande arquiteto, para minha surpresa o túmulo, já bem antigo, se encontra sem nenhuma identificação, parece que nunca foi acabado.

Sabemos a humildade do arquiteto, como também mencionou na época o Jornal do Brasil “o serviço funerário de extrema simplicidade”,  será que ela se reflete nesse franciscano jazigo, ou seus restos mortais foram transferidos para outro ao longo dos anos?