Botafogo além de ser conhecido como “Bairro de Passagem” tem outra característica, a pouca quantidade de praças, e as existentes criadas anos longo dos anos 50 e início do séc  XX, possivelmente pelo parcelamento de terras muito antigo e o loteamento parcelado das ruas transversais por proprietários de grandes chácaras esse detalhe foi sendo esquecido.

Nos anos 20 a 40 a prefeitura tentou implementar duas praças no eixo das Ruas Mena Barreto e Visconde Silva, áreas ocupadas pela classe média e operariada, que não tinha quintais para seu lazer.

Uma delas era no quarteirão entre as Ruas Conde de Irajá, Visconde Silva, Pinheiro Guimarães e Gal. Cornélio de Barros, inclusive com criação de PA e expropriação de lotes, curiosamente revogado 10 anos após a sua criação.

Já o outra praça seria mais perto da orla, na Rua Mena Barreto  com o uso de um grande terreno público e a expropriação de poucos imóveis privados, sendo o mais novo apenas um pequeno prédio de apartamentos recém construído.

Houve PA e inclusive o detalhamento do projeto pelo grande urbanista Azevedo Neto, a praça de bom tamanho ficaria entre as Ruas Mena Barreto, Sorocaba, Dona Mariana e uma nova rua criada com a nova urbanização.

A praça teria muitas das características dos projetos do urbanista da época, como um lago e jardins de formato ameboide, um pergolato, uso de vegetação tropical e piso de saibro batido.

Não sabemos o motivo da não realização do projeto, o terreno público foi desmembrado para a construção de duas escolas e para a antiga 1ª Gerência de Águas do DAE, prédio hoje que se encontra abandonado e em quase ruína. Possivelmente houve o início da expropriação dos terrenos pelo o uso do lote de número 595 da Rua Sorocaba pelo poder público já anos ( 2010, 2014 e 2018)  indica isso, chamara também ao lado no número 585 a destruição arquitetônica do imóvel, de um sobradão senhorial para uma ruína fake criada pela a modernete casa noturna Comuna, um verdadeiro absurdo!