andredecourts foton från 2007-01-31

Jardins do Largo da Carioca, anos 50

Como é acompanhado aqui no flog sabemos que o Largo da Carioca de hoje é o resultado de constantes ampliações desde a era Passos. Essas ampliações são sempre conseguidas com a demolição de construções, como foi a primeira de 1904 com a demolição do Hospital da Ordem Terceira, um prédio do séc XVIII, mas que bloqueava totalmente o encontro da Rua Uruguaiana com o Largo.

Já vimos que uma dos grandes aumentos do Largo foi com a demolição do prédio da Imprensa Nacional, na administração Dodsworth, cuja a área conseguida juntou-se a que era ocupada pelo Teatro Lyrico demolido anos antes para melhorias de tráfego.

Mas essa área, conquistada nos anos 40, foi urbanizada de forma estéril, uma grande esplanada de asfalto, sem uma árvore foi feita no local. Totalmente diferente do largo idealizado por Passos no início do séc XX com árvores, bancos, calçadas largas e jardins, tudo para atrair a frequência de pedestres. A ampliação dos anos 40 tinha o efeito contrário espantava os pedestres e atraia os carros, que usavam a área como um grande estacionamento.

Mas em 1956, entendeu a PDF que a tal situação tinha que ser modificada, e que o Largo da Carioca tinha que ser entregue novamente a população da cidade. Mas como se construir e compor um jardim numa área de grande circulação, e o pior, ao contrário dos anos 10 e 20, o vandalismo contra árvores e jardins nos anos 50 era grave, certamente oriundo da deseducação da população nos anos 40, uma época estéril em arborização e ajardinamentos em nossa cidade, vide a Av. Pres, Vargas, inaugurada sem uma só árvore.

Coube ao engenheiro e arquiteto Mauro Viegas então diretor do DPJ encontrar uma equação. A solução foi a implantação relâmpago de um jardim, com espécies adultas na arborização e um paisagismo defensivo e até agressivo nos jardins. Para implantar esse projeto a execução também deveria ser diferenciada.

Em 19/9/1956 as obras começaram prometendo a PDF que um novo jardim seria entregue em menos de 3 dias à população, logicamente com incredulidade por parte da população e da imprensa. O modo de plantio do jardim foi realmente revolucionário, máquinas de engenharia, emprestadas de outros órgãos da prefeitura foram usadas, como tratores e guindastes para plantar as árvores todas já jovens e com mais de 3 metros, rolos compressores foram usados para afixar profundamente as placas de grama no solo fofo, fora biritadeiras e pás mecânicas para revirar o endurecido solo.

Para espanto de todos os jardins foram inaugurados com menos de 3 dias, e eram cercados por altos aramados, com estacas metálicas para impedir o transito pelos gramados bem como espinheiros para defender do vandalismo os canteiros de flores. Foi um grande sucesso, e a técnica foi usada em outros trehos do Largo que ganharam jardins menores nos dias seguintes em menos de 24 horas.

Esse ajardinamento ficou praticamente intacto, com as árvores grandes até as obras do Metrô quando desapareceram.

A foto mostra os jardins recém inaugurados, algumas árvores já estão bem copadas e o gramado parece ser bem cuidado, em melhor resolução percebe-se as cercas que protegiam a grama, no mobiliário urbano é interessante notar a iluminaçõa dos jardins por refletores e postes múltiplos usando luminárias com lâmpadas fluorescentes.

No extemo direito da foto vemos o Tabuleiro da Baiana e a esquerda um pedaço do prédio do Lyceo de Artes e Officios, no meio temos a rua 13 de Maio, ainda aberta o tráfego e no fundo a Cinelândia.

Comments (6)

Williams 2007-01-31 06:46 …

De todas as fotos que já vi do Largo da Carioca em todas as épocas, esta é de longe a de aspecto mais humano. Se o Largo fosse assim hoje, estaríamos num tremendo lucro. Um lugar muito sacrificado, pois foi piorado, melhorado e piorado de novo. Falta de sensibilidade. Linda foto.

Luiz D’ 2007-01-31 07:58 …

Gostei muito da foto, já “roubada” para os arquivos particulares.

Tratamento de choque, com ótimos resultados.

http://www.flickr.com/photos/andre_so_rio/ 2007-01-31 07:59 …

Um angulo especial e novo do passado
André Costa

Derani 2007-01-31 08:07 …

Sensacional!
Concordo com o Williams, uma das melhores versões do Largo.
Me lembro de passar por aí com minha mãe por volta de 60/62 e já estava, de novo, meio deteriorado.
Porém ainda muito melhor comparando com hoje em dia…

jban 2007-01-31 15:59 …

Um lugar desfigurado… Aliás, passei por lá hoje…