Hoje temos um tardio post duplo com o Saudades do Rio, que em 27 de Abril, publicou uma foto da orla de Ipanema em plena obra de urbanização ( http://fotolog.terra.com.br/luizd:2142 ). Na realidade como podemos ver na foto do Saudades a orla já estava arruada e iluminada, mas a via era aberta de forma precária, para o ramal de Villa Ipanema passar e dar acesso as poucas residências que se aventuravam até pouco depois rua Doutor Farme de Amoedo.

Pelo que podemos observar pelo mobiliário urbano das fotos da orla de Ipanema em imagens até os anos 60, vemos que o que chegou primeiro foi a linha do telégrafo, que em postes Siemens de ferro fundido corria bem perto do limite das propriedades se dirigindo ao Leblon (???), logo após veio a eletrificação da linha de bonde em 1904 e pouco depois a iluminação pública da Light por volta de 1910. Curiosamente o atual alinhamento da Av. Vieira Souto, só ia até a Rua Doutor Pires Ferreira ( hoje Rainha Elizabeth), a partir desse ponto a avenida se estreitava e se aproximava das construções, como na antiga Av. Atlântica, como podemos observar de forma tênue pela linha dos postes do tipo padrão Light, já sem luminárias junto ao meio fio da calçada das construções. O primeiro está no alinhamento atual, realizado neste ponto da avenida, já o segundo avistado, está junto as construções no alinhamento abandonado.

Curiosamente o atual alinhamento seguia até a inflexão da via, a partir dali a rua se estreitava como se fosse uma continuação da Rua Rainha Elizabeth, o que pode ser plauzível nos primeiros e abandonados planos do loteamento de Villa Ipanema, como também existia em Copacabana, onde a partir da Pedreira do Inhangá a Av. Copacabana seguiria o alinhamento da atual Rua Gustavo Sampaio.

Na realidade a história de Copacabana e Ipanema contam com algumas ruas desaparecidas, nunca realizadas ou mudadas de lugar ainda durante o crescimento e consolidação dos dois bairros. Que ainda podem ser vistas de forma desconcertante em mapas atuais como a Praça Jardim Felizberto Peixoto, encerrada entre prédios em Copacabana em virtude da construção especulativa de um prédio nos anos 50 que lhe privou de uma via de acesso. Esta praça hoje é um triangulo, com uma via inclompleta, outra planejada  e a terceira transformada em entrada de garagem de um conjunto de prédios no final das Ruas Figueiredo de Magalhães e Siqueira Campos.

Outros pontos que chamam a atenção é o uso de araucárias na arborização da via e o sistema de iluminação pública, composto por luminárias nos postes que sustentavam as linhas de bonde e postes em estilo francês junto as construções e dentro da areia, que duraram poucos anos.

Mais ou menos 10 anos depois a orla ganhava sua urbanização mais longeva, que durou até o meio da década de 70.

Uma foto para ser observada em alta, não obstante a qualidade inferior da impressão da imagem.