Nossa foto de hoje é um interessante contra-ponto ao post do dia 31 último ( http://www.rioquepassou.com.br/2010/05/31/noturna-copacabana-inicio-dos-anos-30/ ) onde mostramos Copacabana vista do Posto II até o seu final, a única diferença era a posição do fotógrafo, de um mirante no Morro da Babilônia e de helicóptero na de hoje.

Vemos que em 1965 a paisagem estava totalmente esgotada, dominada pela massa de prédios que surgiu de forma agressiva no pós guerra. O Morro do Inhangá que dominava a noturna do dia 31 em primeiro plano está praticamente engolido pelos prédios que lhe cercam, sendo que os dois penedos junto a praia praticamente sumiram estando depois de serem debastados e cortados abaixo dos prédios, sendo do nosso ângulo apenas espaços vazios entre as ruas que ainda contornam os antigos morros.

O edifício Netuno, o primeiro após o Copacabana Palace na foto dos anos 20, passa praticamente desapercebido nesta imagem, estando ao lado do conjunto modernista do Ed. Angel Ramirez na rua República do Perú, apontado por muitos como obra de Lúcio Costa mas sim projetado pelos Irmãos Roberto, que tem no seu DNA os brises nas janelas e os apartamentos duplex de 3 quartos.

Outro ponto que podemos observar é a regularidade dos prédios quanto a altura, os hoteis com duas, três vezes o gabarito do resto do bairro ainda não tinham sido construídos e os prédios mais altos estão de fato em quotas mais elevadas como os Ed. Estrela de Ouro e Estrela Brilhante no início da subida do Corte de Cantagalo.

Da imagem do dia 31 para a hoje se passaram menos de 40 anos, e também é interessante pensar que 90% dos prédios que vemos na imagem tinham menos de 20 anos na época da foto, e os poucos espaço que sobravam, normalmente por de trás do eixo da Rua Barata Ribeiro estavam sendo disputados pelas construtoras que continuariam demolindo no bairro freneticamente até a metade dos anos 70, quando esgotaram de vez o bairro.