O amigo Hélio Ribeiro, membro dos FRAs com o site Bondes do Rio de Janeiro ( http://www.bondesrio.com/) enviou um pequeno lote de fotos, na realidade fotogramas de um filme, por isso a pequena resolução que mostra o cotidiando da cidade no início dos anos 40, período imediato antes de entrarmos da II Guerra. Todos os fotogramas mostram áreas que desapareceram da cidade em épocas distintas por malogradas reformas urbanas.

Hoje vemos detalhes do trecho inicial da Av. Mem de Sá logo depois do Largo da Lapa, via de melhoria dos acessos da cidade e aberta por Passos era vital nesta época para a ligação das zonas Sul/central com a zona Norte, juntamente com as Ruas do Riachuelo e Frei Caneca, o que pode ser demostrado pelo tráfego intenso de ônibus, bondes e automóveis.

Na primeira imagem, bem no Largo da Lapa, vemos os trilhos que contornavam a hoje desaparecida estação de bondes, de farto folclore nas crônicas da cidade. O pequeno carro, que tem cara de ser um Fiat 500, entra na Rua do Passeio, enquanto o grosso do tráfego segue rumo aos Arcos, o urbanismo é bem equilibrado e vemos aqui um exempo da felicidade da politica de arborização implementada por Passos na sua reforma urbana.

Na segunda imagem já conseguimos vislumbrar os Arcos ao fundo. O ônibus entra da Rua Evaristo da Veiga rumo à Cinelândia. É interessante observar o polical ou oficial conduzindo uma motocicleta, fato raro na época e mais ao fundo dois bondes emparelhados recolhem passageiros que se avolumam junto aos meio-fios. No furgão em primeiro plano o motorista que o estacionou em local proibido espreita com a porta entre-aberta o melhor momento de desembarcar do veículo. É impressionante constatar que todos os imóveis, bem como árvores, postes e trilhos sumiram na desastrosa reforma urbana do primeiro governo Chagas Freitas que trasformou essa parte da Lapa numa irresolvível e árida esplanada com feias cicatrizes urbanas do lado em que estamos e um rol de imóveis em péssimo estado do outro.