Nossa foto de hoje mostra um ponto não muito aprazível da cidade, mas que está na memória de todos que é o antigo gasômetro de São Cristóvão, hoje a beira do término das operações pela mudança do sistema do gás de usina para o gás natural.

O novo gasômetro foi construído graças aos aterros na região da antiga Praia de São Cristóvão a partir dos anos 10 do séc. XX, para a substituição da velha usina do Mangue, que não conseguia mais atender a cidade, uma grande área foi usada, empurrando o mar para longe e criando uma região perigosa e poluída.

Até a segunda metade dos anos 60 a SAG usava o hulha para a obtenção do gás de usina, sendo para isso necessária uma grande operação de logistica para a chegada do carvão e estoque do mesmo a fim de suprir as necessidades do sistema. Onde hoje temos a curva do porto e o início do terminal de conteinners tinhamos um terminal graneleiro exclussivo da SAG, que promovia o descarregamento dos navios e através de esteiras que cruzavam as Av. Rio de Janeiro e Brasil carreavam o carvão rumo ao gasômetro.

A foto mostra uma das partes dessa operação, num ponto na esquina da Av. Brasil com Francisco Bicalho, vemos parte do sistema de esteiras transportadoras, bem como as pilhas de carvão e as instalações fabris para a extração do gás do carvão.

Desde os anos 70 grande parte desse complexo não existe mais, pois tais unidades se tornaram obsoletas a partir de 1967 com o uso da Nafta para a obtenção do gás, tendo aí já a Companhia Estadual de Gás do EGB, construído alguns prédios admistrativos e mais tanques de armazenamento, que hoje já foram quase todos desmontados, esperando o inexorável desaparecimento do gasômetro.

Logicamente a ausência do conjunto dos viadutos de término da Linha Lilás ( Gasômetro e Perimetral) dá outro ângulo à foto, impossível nos dias de hoje.